Café

Nuvens densas

Aquelas estrelas da noite aparecem assombradas

Rolam as pedras que acalmam a rua

Ondas quebram o mar indiferente

Dissolve a terra que alimenta

Vapores do ar drenados

Sinto a chuva na laje

O cálice fere a calçada polida

Estrondo de tempestade perdida

Seca a quietude morna das águas

Dourado arco da lua

Colina que nutre a estrada

O vento faz curvas

Eleva outra vez as nuvens densas

Recados

“É mais cedo chegar tarde do que nunca começar um final”

“Se todos os dias fosse agora, eu teria te encontrado outra vez”

“Estrelas são olhos de anjos que piscam tentando safarem do céu cheio de gente”

“O melhor café que provei foi feito com palavras quentes e perfume de colinas úmidas e vaporosas onde se desperta”