Hall

casa de campo
veleta de galo
doce textura do ar
trilha perfumada
águas azuis
céu de nuvens carregadas
a máquina respira
come a ternura
engole a lida
E é tão suave o grito
desesperado das correias
Ninguém à vista
a multidão ocupada
vota no triste e desgraçado silêncio
da urna
aquele buraco
Solidão vive acompanhada
na marcha carregada
O deserto gentil de tanta gente
Braços estendidos de cactos a ]
Pedro Moreira Nt
13 de fevereiro de 2019 ·

Farei o possível para esquecer quando vou entrar aqui.

Há muita bagunça em tudo.

Promessa de tessituras, carretéis de vontades guardadas, muito bem.

Virei nos dias errados, nas horas dormidas, no amanhecer das lembranças. 

Algo a saber: Aqui, um tanto de palavras desditas, deixadas ao rés do chão, ajuntadas.

Parece, às vezes, que o roda-pé foi esticado, e se transformou em parede.

 Entramos nesse lugar que nos permitiram ficar.

Então, é assim, sentamos nos desvãos arbitrários de algum vitrinista que resolveu ajuntar coisas no ambiente.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *